O Naturismo é uma forma de viver em harmonia com a Natureza caracterizada pela prática da nudez colectiva, com o propósito de favorecer a auto-estima, o respeito pelos outros e pelo meio ambiente.
Mostrar mensagens com a etiqueta FPN. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta FPN. Mostrar todas as mensagens

domingo, 29 de março de 2015

Grupo no Facebook

Um espaço de debate e partilha no Facebook que conta já com 800 participantes.

Participa e adere!

sexta-feira, 27 de março de 2015

Eunat 2015


O 6º Eunat - Congresso Europeu de Naturismo tem lugar em 2015 no Camping Fuussekaul - Luxemburgo

No encontro anual das Federações Europeias, Portugal é representado pelo Presidente da FPN Rui Elvas.

Na foto os presidentes das federações portuguesa e espanhola.

Conhece o espaço onde se realiza o evento em :

Camping De Reenert / Camping Fuussekaul
4 Fuussekaul
L-9156 Heiderscheid
www.fuussekaul.lu / www.reenert.lu

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

34º Congresso Mundial de Naturismo - Notas Finais

34º Congresso Mundial de Naturismo -  11-14 Setembro Irlanda

No site da INF foram disponibilizadas publicamente todas as moções e relatórios a levar ao congresso bem como as actas do congresso.

Neste artigo vamos apenas abordar os resultados das moções e os factos mais relevantes deste congresso.

Das moções  a debate e votação foram rejeitadas as seguintes:


terça-feira, 30 de setembro de 2014

Momentos de história - 1

“O Natural” especial dedicado a Pedro Geraldes Cardoso publicado em 2012, não como uma homenagem porque estas fazem-se em vida, e foram feitas, mas sim como um memorial que permita aos presentes e aos vindouros saber quem foi e a grande contribuição que deu ao Naturismo em Portugal.

O seu trabalho, a sua dedicação e a sua permanente disponibilidade para o Associativismo Naturista, fizerem dele uma referencia incontornável no naturismo nacional.

Um grande homem, um grande naturista um sonho por realizar:

Um movimento unido e coeso na defesa e na divulgação do naturismo.

Parte da história Federação está nesta edição do Magazine.

Um contributo do CNC - Clube Naturista do Centro para o nosso projecto:

NATURISMO - HISTÓRIA COM VIDA

Um publico agradecimento ao Clube e a todos os que contribuíram para tornar possível esta edição com o seu contributo.

domingo, 31 de agosto de 2014

NATURISMO EM PORTUGAL: 30 Anos depois (1977 - 2007)

Hoje recuperamos um momento da história do naturismo em Portugal, um artigo online reencontrado na pagina da FEN (Federação Espanhola) que permite ampliar o acervo da FPN, recordar as comemorações do 30º Aniversário da Federação Portuguesa de Naturismo e enaltecer o trabalho, dedicação e empenho de todos os Companheiros que tornaram esse dia possível.

Com o contributo e trabalho realizado por muitos naturistas anónimos, associados a nomes que fazem parte da história do naturismo em Portugal como Pedro Geraldes Cardoso, Laurindo Correia, Pedro Mota,  Luís Eleutério , Rui Martins, entre outros Companheiros, pelo forte contributo dado à  Federação Portuguesa de Naturismo e ao naturismo em Portugal em diversas etapas do percurso associativo.

O trabalho e o contributo de todos os que desde 1977 até aos nossos dias passaram pelos Corpos Sociais da FPN aliado a todos Companheiros que ao longo destes anos foram portadores de Cartão de Naturista permitiram em conjunto com todos os Naturistas de Portugal a divulgação, promoção e desmistificação do Naturismo, construindo desta forma uma realidade na qual hoje em dia as Nuticias sobre a nossa causa são recorrentes nos órgãos de comunicação social, parte de programas de televisão e investimentos concretizados por empresários de norte a sul do país.

A todos o nosso bem haja.

NATURISMO EM PORTUGAL: 30 Anos depois


Passaram 30 anos sobre a data da fundação da Federação Portuguesa de Naturismo. 

Nascida a 1 de Março de 1977 pela vontade de um pequeno grupo de utilizadores nudistas das praias do Meco e da Bela Vista (ao sul de Lisboa), muitas foram as dificuldades a superar para afirmar o Movimento Naturista.

Depois do renascimento da Democracia política e social em Portugal, ocorrida 3 anos antes, a 25 de Abril de 1974, foi possível aos naturistas organizarem-se para dar corpo a uma firme vontade de contribuírem para legalizar a prática nudista clandestina em Portugal.

Apesar da abertura política, não foi fácil a batalha pelo reconhecimento político, social e cultural dos valores que o naturismo representa e nos quais a prática nudista se constitui como a expressão mais polémica.

Muitas batalhas jurídicas foram travadas, muitas barreiras foram sendo desfeitas e a afirmação do naturismo em Portugal foi dura, difícil e controversa, mas logrou não manter-se viva e constante.

Nos últimos 5 anos (2002 a 2007), foi possível concretizar metas importantes e lançar as bases para uma afirmação ainda mais consequente e digna para aqueles que partilham um estilo e prática de vida, inspirada nos valores tradicionais do naturismo.

Portugal viu nascer mais dois campings naturistas – Quinta das Oliveiras e Monte Naturista “O Barão” e duas novas “guest-house” – Quinta da Vista e Naturest. 

A FPN conseguiu legalizar oficialmente para o naturismo, duas praias no litoral do Alentejo e Algarve – Praia do Salto, a sul de Sines e Adegas a norte de Aljezur.

A Federação Portuguesa de Naturismo conseguiu organizar um horário naturista num SPA/Health Club num Hotel de Lisboa, onde uma vez por mês, e durante duas horas, os naturistas podem usufruir de Sauna, Ginásio, Banho Turco, Piscina e, brevemente, Jacuzzi.

Finalmente, no passado dia 24 de Março (2007), a FPN inaugurou a sua sede social em Lisboa, espaço que virá colmatar alguma deficiência organizativa e proporcionará um espaço de convívio. 
Laurindo Correia 

Nela ficará instalada uma secretaria para apoio aos associados, uma mediateca com revistas e vídeos naturistas, e todo o seu arquivo histórico.

O Aniversário foi comemorado com muita alegria, na presença de mais de sete dezenas de associados e iniciou-se com um almoço de convívio a que se seguiu a inauguração da sede com um “Porto de Honra” e Bolo de Aniversário, para além de um conjunto de discursos por parte de fundadores, antigos dirigentes, responsáveis pelos núcleos e clubes federados e, ainda, do Ismael Rodrigo, presidente da FEN – Federação Espanhola de Naturismo.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

O Natural: Opinião, por Sieglinde Ivo

Dentro das comemorações da Semana Mundial do Naturismo, o CNC - Clube Naturista do Centro, publicou uma edição especial do seu magazine "O Natural".

Para esta edição o Clube, através da Federação Portuguesa de Naturismo, endereçou  um convite a Sieglinde Ivo - Presidente da Federação Internacional de Naturismo - solicitando a sua contribuição com um artigo alusivo a este período comemorativo.

O conteúdo do artigo pelas opiniões e sugestões que inclui é do intresse de todos os naturistas, nudistas e afiliadas da FPN pelo que tomámos a liberdade da sua publicação e divulgação nos blogs da Federação.

Pelos mesmos motivos e seguindo a sugestão dada, a publicação será enviada a todas as federações acompanhada do texto já publicado no nosso blog em inglês, sendo ainda enviada as todas as entidades filiadas na FPN.

Aproveitamos o memomento para incentivar publicamente todas a entidades filiadas na FPN a seguirem ações idênticas através de um trabalho conjunto com a Federação Portuguesa de Naturismo e a Federação Internacional de Naturismo para promover, divulgar e explicar toda a informação possível e adequada acerca da nossa filosofia e estilo de vida.

Opinião, por Sieglinde Ivo


A revista “O Natural” será lançado como uma edição especial e, além disso, tenho o prazer de felicitá-los por este passo.

A publicidade através de revistas impressas ou internet nunca é demais especialmente para nós Naturistas.

Embora circulem muitas publicações, temos de explicar o nosso modo de vida, a fim de nos protegermos de afirmações lesivas.

Vivemos em harmonia com a natureza, protegemo-la, e sentimo-nos livres, relaxados, e bem sem nenhuma roupa.

Claro que aceitamos a opinião das outras pessoas mas gostaríamos de enfatizar, que também desejamos ser aceites sem qualquer preconceito.

Portugal é um país bonito e oferece muitas oportunidades aos naturistas com as suas longas praias mágicas.

Em comparação com outros países europeus Portugal tem muito mais dias de sol e, portanto, é benéfico o desenvolvimento e suporte do naturismo nesta região.

Através desta publicação dá-se mais um passo nessa direcção a fim de facultar e manter a liberdade incondicional para todos os naturistas


Simbolicamente entrego este ramo de flores e desejo-vos tudo de melhor para a vossa sua campanha e certamente irei reencaminhar a vossa revista a todas as federações.

Com os melhores cumprimentos

Sieglinde Ivo
INF-FNI President
Original English version

Artigos desta edição especial:
Todos os artigos serão publicados no Blog do CNC, facilitando a sua tradução para outras línguas.
    Carregando na imagem encontra todas as publicações online do magazine do CNC:

    domingo, 6 de abril de 2014

    Bem vindo PVA


    A partir de ontem a Pensamentos ao Vento - Associação tornou-se no mais recente membro da Federação Portuguesa de Naturismo.

    À Associação, Corpos Sociais e Associados as nossas boas vindas!
    _________________________________________________________________

    domingo, 23 de junho de 2013

    Protocolo FPN- Glampelo


    A Federação Portuguesa de Naturismo e a Glampelo assinaram um protocolo com inicio em 25 de Junho de 2013.

    A partir desta data todos os portadores de Cartão Naturista INF passam a ter 10% de desconto  nas reservas deste espaço.

    A Glampelo é um espaço têxtil, com períodos naturistas agendados ao longo do ano.

    O Glamping ou camping com glamour é a resposta para aqueles que desejam estar em contacto com natureza, acampando sem o incómodo de ter de carregar todos os materiais e acessórios necessários para acampar e em simultâneo ter um alojamento com todo o conforto e glamour de um hotel.
    Para 2013 estão disponíveis 3 períodos para turistas naturistas:
    17-30 Junho;
    01-14 Setembro;
    01-13 Outubro.
    Em coordenação com os proprietários, e para grupos que reservem todo o espaço existe a possibilidade de uma estadia naturista.

    Para saber mais sobre a Glampelo podem seguir os seguintes link:






    Site
    Blog
    Facebook
    Facebook (pagina)
    Email

    Reportagem na Naturist travel







    Localização:
    Moinho da Ribeira, 
    3230-210 Penela-Espinhal‎
    Telefone: 910 089 572

    A partir do mapa (ao fundo) ou no site podem aceder à localização da Glampelo


    Ver mapa maior


    sexta-feira, 14 de junho de 2013

    Massagem de Luz - Protocolo

    O protocolo entre o Clube Naturista do Centro e a Massagem de Luz situada na Ericeira é extensível a todos os portadores de Cartão Naturista emitido pela Federação Portuguesa de Naturismo a  partir de 13 de Junho de 2013.
      
    Independentemente da filiação associativa

    Condições para os todos  os portadores de Cartão Naturista emitido pela FPN:

     "Dentro do espaço Massagem de Luz temos várias terapias, que vão desde as massagens (relaxamento, terapêuticas e estéticas) ás terapias orientais (Shiatsu, Acupuntura), passando pelas alternativas (Reiki, Cristaloterapia) e manicure, pedicure e epilação."

    20% de desconto em qualquer tratamento realizado no espaço Massagem de Luz & MisterFixe Ericeira na apresentação do  apresentação do Cartão Naturista emitido pela FPN com as quotas em dia.(exceptuam-se packs de tratamento e não é acumulável com outras promoções ou descontos em vigor). 


    Todos os contactos para marcações podem ser realizados através de:

    Telefone: 960 013 965

    Para conhecerem algumas da terapias visitem o seguinte link.

    Local:

    Avenida de São Sebastião, Nº 2 Loja 1
    Ericeira
    ____________________________________________________


    quinta-feira, 25 de abril de 2013

    Naturismo em Liberdade


    O dia de hoje simboliza o primeiro passo para um naturismo legalizado e apoiado numa lei que tem sido revista ao longo da nossa democracia procurando estar actual com o tempo e a vontade de todos os que vivem a pratica naturista.

    Várias praias naturistas oficiais e centenas de lugares de uso e costume naturista permitem uma pratica da filosofia naturista dentro da lei, num país onde a simpatia e arte de bem receber conjugadas com um clima e uma geografia única na Europa fazem de Portugal um oásis para a pratica do Naturismo.

    Espaços comerciais para a pratica de naturismo, sobretudo no Centro e Sul de Portugal, permitem a visita e permanência de muitos turistas naturistas.

    Muito foi feito ao longo destes anos, embora muitíssimo mais esteja por fazer.

    Não podemos baixar os braços, temos de continuar a divulgar, promover e desenvolver o naturismo em Portugal.

    Contamos com o apoio futuro de todos os Portadores do Cartão Naturista, amigos e simpatizantes do nudo naturismo.

    Agradecemos o apoio passado de todos os que contribuíram para uma Federação com 36 anos de vida, só possíveis com muita entrega de alguns ao desenvolvimento da causa associativa em prol de todos e para todos.

    Só com um associativismo forte, coeso e dinâmico é possível dar força à Federação Portuguesa de Naturismo para que continue a representar, apoiar e defender o Nudo Naturismo em geral e o associativismo naturista em Portugal.

    Adere e apoia o naturismo associativa em Portugal, junta-te aos Clubes e Associações filiados na Federação Portuguesa de Naturismo.
    _____________________________________

    sexta-feira, 1 de março de 2013

    Protocolo: Pool House


    Protocolo entre a Pool House e a Federação Portuguesa de Naturismo com inicio a 1 de Março de 2013.

    Com as seguintes vantagens para os portadores do Cartão Naturista Internacional emitido pela FPN com selo em dia.

    Descrição

    Apartamentos para arrendar, em regime de self-catering, com partilha de piscina, em ambiente rural, a poucos minutos da Praia do Rio da Prata, no Meco, uma das raras praias de naturismo oficiais em Portugal.

    A piscina, de água salgada, também permite a prática de nudismo. Um local ideal para desligar e relaxar, num ambiente informal e descontraído.

    A Pool Houses dispõe ainda de um pequeno ginásio, de acesso livre, e disponibiliza bicicletas BTT por uma taxa de manutenção de €5/fim-de-semana ou €10/semana por bicicleta.



    A Pool Houses tem ao dispor dos seus hóspedes um serviço de massagens prestado por terapeutas profissionais.

    Informação geral


    T0 -QUARTO INDEPENDENTE com cama dupla e wc ensuite, equipado com frigorífico, micro-ondas e alguns pequenos electrodomésticos. Lotação máxima de 2 pessoas estadias mínimas de 2 noites.


    T2 -APARTAMENTO com um quarto com cama dupla e wc ensuite, um quarto com futon de casal, um wc de serviço, sala e cozinha equipada. Lotação máxima d e4 pessoas e estadias mínimas de 2 noites.

    A tipologia dos apartamentos poderá sofrer alterações devido a possíveis remodelações do espaço.

    VALORES ANTES DE APLICAR OS 10% DE DESCONTO:


    Época Baixa Valor/Noite (mín. 2 noites)
    • T0 1-2 Pax €35,00
    • T2 1-2 Pax €50,00
    • T2 3-4 Pax €75,00

    Época Alta Valor/Noite (mín. 2 noites)
    • T0 1-2 Pax €45,00
    • T2 1-2 Pax €70,00
    • T2 3-4 Pax €105,00






    Inclui taxa de limpeza semanal, consumo de água e electricidade, acesso wireless à internet, rouparia de cama, toalhas de banho e toalhas de piscina. Não inclui refeições, mas inclui algumas mercearias a título de cortesia.

    Estes valores poderão sofrer actualizações anuais, mantendo-se o desconto.

    Época Baixa: de Outubro a Maio.

    Época Alta: de Junho a Setembro e Ano Novo.

    Facebook: Pagina      Amizade

    quinta-feira, 8 de novembro de 2012

    Assembleia Geral da FPN - 8 de Dezembro





    FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATURISMO
    Rua Quinta das Lavadeiras, 14 A
    1750-239 LISBOA

    CONVOCATÓRIA

    Ao abrigo do Artº 19º, nº 3 e Artº 20º, nº 1 dos Estatutos desta Federação, é convocada uma Assembleia Geral Extraordinária a ter lugar no próximo dia 08 de Dezembro 2012, com início às 14h00, na sede, sita na Rua Quinta das Lavadeiras, 14 A, em Lisboa, com a seguinte ordem de trabalhos:

    .....
    Foram enviadas para as Associações e Clubes as convocatórias e propostas a apresentar a debate na AGE.

    Podes e deves contribuir com as tuas propostas e debates de ideias no forum da JPN na área reservada a Associados.

    Inscreve-te, debate, propõe, a tua ideia e as tuas propostas são importantes para nós.




    domingo, 21 de outubro de 2012

    Segue e recebe a nossa informação

    Podes seguir o nosso Blog e a INFOFED de novas formas: 

    1 - A mais directa é subscrever o nosso Blog por email, deste modo passas a receber automaticamente todas as noticias publicadas no teu email, incluindo a INFOFED:

    Escreva o seu endereço de email:


    Delivered by FeedBurner

    2 - Outra é seguires o nosso blog no teu leitor de noticias:
    Basta adicionar o endereço do Blog (por exemplo ao google reader) e ficas a receber todas as noticias, INFOFED incluída, no teu leitor.

     Nota: ambas a opções estão disponíveis no site da FPN

      Escolhe e mantêm-te informado sobre a Federação Portuguesa de Naturismo ________________________________________________________________

    sexta-feira, 12 de outubro de 2012

    Site FPN: Publicidade

    Através de um donativo à FPN é disponibilizado na nossa pagina principal espaço para publicitar a sua actividade.

    O espaço destina-se a actividades que se enquadrem dentro da ética naturista, permitindo uma parceria vantajosa para ambas as entidades.

    Informação:

    • Salvo indicação em contrário os espaços serão preenchidos da esquerda para a direita e de cima para baixo pela ordem de chegada.
    • Até 31 de Dezembro beneficie de 20% de desconto para 2013 e da oferta até ao final de 2012.
    • Para aderir pode fazer o seu donativo através do nosso NIB.
    Donativo:



  • Entidades com descontos ao Cartão Naturista emitido pela FPN ou aos seus afiliados:
  • 25€ por ano (*);
  • 15€ de Janeiro a Abril ou de Setembro a Dezembro;
  • 5€ por mês de Janeiro a Abril e de Setembro a Dezembro;
  • 10€ por mês de Maio a Agosto.



  • Outras entidades:
  • 50€ por ano (*);
  • 30€ de Janeiro a Abril ou de Setembro a Dezembro;
  • 10€ por mês de Janeiro a Abril e de Setembro a Dezembro;
  • 20€ por mês de Junho a Agosto.


  • Espaço de destaque (no topo da pagina ao lado da foto):

  • 150€ por ano  (*) (40% desconto para entidades com desconto ao Cartão Naturista ou afiliados);
  • 90€ de Setembro a Dezembro;
  • 30€ por mês de Janeiro a Maio e de Outubro a Dezembro;
  • 50€ por mês de Maio a Agosto.


  • (*) Pacote anual inclui:
    • Publicidade gratuita no Blog;
    • Publicidade gratuita na newsletter (4 a 6 edições por ano);
    • Publicidade gratuita no forum (abertura de tópico a ser alimentado pela entidade);
    • Artigo no Blog sobre os serviços e a empresa (fornecido pela entidade);
    • Artigo numa newsletter (fornecido pela entidade).
    Consulte-nos para mais informações.

    segunda-feira, 24 de setembro de 2012

    sábado, 22 de setembro de 2012

    Protocolo: Aldeia da Pedralva



    A Aldeia da Pedralva e a Federação Portuguesa de Naturismo assinaram um protocolo que inclui as seguintes vantagens para os portadores do Cartão Naturista Internacional emitido pela FPN:


    • 20% de desconto entre 1 de Março e 30 de Junho e entre 1 e 31 de Outubro;
    • 15% de desconto  entre 1 de Julho e  15 de Julho;
    • 10% de desconto  entre 15 de Julho e 31 de Agosto.
    Sobre a seguinte tabela de preços:
    Para saberem mais sobre a Aldeia da Pedralva podem e devem visitar o seguinte site:


    Localização:




    Coordenadas GPS:
                                        Longitude 8º 51’ 42’’ O 
                                        Latitude 37º 08’ 30’’ N 
                                        Altitude 50 m

    Contactos:

                     reservas@aldeiadapedralva.com


    Morada:                 Aldeia da Pedralva
                    Rua de Baixo – Casa da Pedralva
                    8650-401 Vila do Bispo

    Telefones: 
                        Recepção Reservas    +351 282 639 342
                                                                 +351 933 669 256
                    Sónia Felizardo Duarte    +351 933 669 255

            Fax .+351 282 639 158 


    _______________________________________________________


    domingo, 16 de setembro de 2012

    Palestra sobre naturismo: texto



    NATURISMO: destruir um preconceito, dignificando a nudez

    - Uma visão sobre o naturismo na sua vertente nudista. Um estilo de vida sem preconceitos sobre a nudez social, uma "mente sana" para maior autoestima, por Laurindo Correia*. 

    Bom dia a todos.

    Começo por agradecer aos organizadores o convite para participar neste evento e a oportunidade de expressar, aqui, algumas ideias sobre o naturismo e particularmente no que ao nudismo diz respeito.

    Quero agradecer, também, a Federação Portuguesa de Naturismo e ao Clube Naturista do Centro que me apoiaram e, antecipadamente, a todos os quiserem assistir à minha dissertação sobre o tema, desejando que possam dela tirar algumas indicações a respeito do tema proposto.

    Genericamente, o termo naturismo deve ser entendido como um conjunto de práticas saudáveis para o ser humano. Como sabem, muitas são as organizações que, usando a terminologia naturista, se propõem melhorar a nossa qualidade de vida por formas mais ou menos naturais e racionais, ligadas sobretudo a formas de alimentação, terapias e medicinas alternativas, incidindo a sua influência, sobretudo, de fora para dentro de nós próprios.

    No caso do nudo-naturismo, colocámos o enfoque na “mente sana” e encontrámos, na prática da nudez coletiva, a melhor forma de a concretizar. Será, porventura, o meio mais difícil, já que suscita mais reservas e alguma polémica. O caminho utilizado é, portanto, de dentro para fora, porque começa dentro de nós, reformulando a nossa mentalidade.

    De facto, o movimento naturista constituído em torno da Federação Naturista Internacional e das suas correspondentes federações nacionais e clubes, promove um conjunto de atividades nas quais se procuram cruzar o bem-estar e equilíbrio físico com a necessária e correspondente vertente psico mental, onde a nudez, vivida coletivamente, assume o papel principal.

    Na verdade, o naturismo é definido pela sua federação como uma forma de vida em harmonia com a natureza, caracterizada pela prática da nudez coletiva, no propósito de favorecer o respeito por si mesmo, o respeito pelos outros e pelo meio ambiente.

    Em Portugal, o nudo-naturismo só veio a ter direito de cidadania a partir de 1988, quando a Assembleia da República aprovou a primeira Lei que a legalizou em lugares públicos, embora delimitados.

    Mas afinal, sendo hoje o nudo-naturismo uma prática legal, porque não se dissemina tanto quanto outros estilos e opções de vida?

    Vivemos numa sociedade em que os preconceitos são mais que muitos e a vontade de mudar - reformulando ou renovando valores - se revela bastante limitada. Mais depressa se desmoronam valores, do que se encontram novas formas de os viver e expressar.

    Nos dias de hoje e apesar da forte banalização da nudez, que a desmistificou em absoluto e cujas imagens percorrem o mundo, das mais variadas formas, quase sempre por razões menos equilibradas e sobretudo menos dignas, a nudez natural e social dos naturistas, aquela que retrata fielmente o ser humano, nas suas formas mais puras e reais, permanece, ainda assim, como uma forma estranha de compartilhar no dia-a-dia, o convívio e a recreação entre homens, mulheres e crianças.

    Na sociedade “europeia e ocidental” é comum olharmos a nudez de uma forma dicotómica. Senão vejamos.

    Como iremos reagir ao olhar uma revista tendo na capa um conjunto de homens e mulheres nus na selva africana ou amazónica e outra revista com mulheres e homens nus convivendo juntos na praia ou no campo na Europa?

    Cada um de vós dará uma resposta, mas a maioria inclinar-se-á a considerar a 1.ª como natural e a segunda com outra imaginação. Porque será?

    Isso é tanto ou mais evidente, mesmo noutros países europeus onde se publicam revistas nudo-naturistas, quando elas aparecem comumente em quiosques ou lojas da especialidade, não no setor de revistas de cariz cultural, científico, de lazer ou recreativo, mas antes misturadas com as revistas sexistas, quando não mesmo pornográficas.

    Porque na nossa sociedade é comum a associação da nudez com o sexo, ou então como montra de condições físicas de exceção onde a beleza se destina ao mercantilismo.

    A nudez é ainda utilizada como “arma provocatória” quando alguns movimentos a usam para chamar a atenção da sociedade para problemas que querem ver resolvidos, sabendo da forma como ela é encarada e certificando-se, desta forma, da sua ampla retratação nos media.

    E, finalmente, só de forma lamentavelmente mitigada e rara, apreciada com caráter cultural na pintura, escultura e, ainda menos, em espetáculos públicos.

    Na realidade, a nossa civilização foi assimilando preconceitos relativamente à nudez que veio a criar um divórcio entre a nossa mente e a nossa natureza física, aquela que adquirimos à nascença.

    Por razões diversas, interesses mesquinhos, pseudo pudores e ”moralidades”, conseguiram impor, ao longo da nossa história, um conjunto de regras e sentimentos de culpa relacionados com a nudez, que condicionaram gerações.

    Afastámo-nos de nós próprios, censurámos o nosso corpo, cobrindo-o quase de forma permanente e sistemática, consoante a época e o lugar do Mundo em que nos encontremos e, em especial de forma seletivamente absurda, nos tempos modernos, que se resume a tapar uma área minúscula, de cerca de 60cm2, em torno dos genitais e pouco mais.

    O corpo humano tem, assim, zonas proibidas e menos dignas e, como reverso, obsessivamente cobiçadas, como se não nos constituíssemos como um todo de igual valor.

    A nossa natureza física é manipulada, criando sentimentos de vergonha, culpa ou imperfeição, mas também de bestialidade e desigualdade de género, que importa questionar e combater. Dela resultam muitas vítimas, nomeadamente afetadas pela bulimia e anorexia, pela violência sexual e outras situações de carácter psicológico e físico, cujas consequências nem sempre são visíveis, já que muitas delas acabam transformadas em complexos, obsessões e sofrimentos geridos solitariamente.

    Mentalmente dependemos, bastas vezes, daquilo que nos incutem terceiros, mais do aquilo que deveria resultar do nosso raciocínio e da nossa liberdade de pensamento.

    De um lado os “moralistas”, censores da nossa liberdade e da nossa natureza física e, do outro, os que nos prometem exacerbado prazer com imagens de beleza e gozo sem realismo nem naturalidade.

    Em prejuízo da saúde psíquica, a nudez quase sempre se apresenta ligada a formas físicas tidas como perfeitas ou vincadamente sexualizadas, retratando assim e apenas uma ínfima parte da realidade humana, criando uma falsa imagem da sua maioria.

    Durante muito tempo foi a mulher a principal vítima desta mistificação com fins meramente mercantis e também sexistas, mas, hoje, é também o homem, um alvo com interesse. Ambos se encontram à mercê do culto da imagem, como objetos de satisfação exibicionista e voyeurista e de todo tipo de negócio a eles associado.

    Da moda têxtil aos cosméticos, das pseudo dietas de emagrecimento rápido às revistas “cor-de-rosa e de jet-set”, floresce todo um interesse comercial, onde a publicidade joga todo o seu poder, criando necessidades que apenas iludem a realidade e nos prometem a transformação em cópias de um estereótipo virtual.

    Por outro lado, alguns moralistas religiosos mantêm a simples nudez num patamar de depravação e de ausência de pudor, desvalorizando a Criação Humana como um dos expoentes da Natureza.

    De facto nascemos nus e essa é a nossa maior igualdade perante os outros e, se quiserem, perante o Criador, mesmo que sejamos todos algo diferentes.

    Aliás, esse reconhecimento surgiu bem patente nas palavras de João Paulo II que, enquanto Bispo de Cracóvia, escrevia no seu livro “Amor e Responsabilidade”- e cito - que “O decoro sexual não pode, de nenhuma forma, ser associado ao uso de vestuário, nem a vergonha com a ausência de roupa e a total ou parcial nudez…

    …A nudez como tal, não deve ser equiparada ao descaramento físico. A ausência de decoro existe apenas quando a nudez desempenha um papel negativo no que respeita ao valor da pessoa, quando o seu propósito é o de resultar em apetite sexual, no qual a pessoa é colocada na posição de objeto de prazer.”

    É, por isso, importante sublinhar que, mesmo para os católicos, apenas a nudez com intuito de transformar uma pessoa num mero objeto de prazer sexual, poderia merecer a sua condenação.

    Assim, e ao contrário dos nossos detratores, afirmamos que a prática naturista de nudez social e recreativa se assume como uma escola em que o nu é dignificado enquanto expressão máxima da nossa natureza, do nosso grande respeito e tolerância mútuos e da nossa igualdade entre iguais e, sobretudo, entre géneros. Sim, porque é na prática nudo naturista que encontramos verdadeira igualdade entre homens e mulheres em dignidade e direitos. Não damos a um dos géneros mais liberdade corporal que ao outro, como acontece no meio “textilizado” onde, apesar de uma certa liberalidade de costumes, raras são as mulheres que fazem topless em público.

    Não queremos afirmar que rejeitamos a roupa e que não lhe reconhecemos um papel importante nas nossas vidas. Não! De facto, os naturistas apreciam a roupa quando e sempre que ela se revele necessária ao seu bem-estar, higiene, conforto individual e coletivo.

    Usar roupa apenas por razões ligadas a preconceitos ou complexos físicos não faz qualquer sentido. O prazer da liberdade, o bem-estar que proporciona a nudez quando a roupa é tão só um instrumento de castração e limitação física ou psíquica, não é racional nem razoável.

    Aliás, estão amplamente provadas as muitas vantagens da nudez na saúde, lazer e na recreação humana que seria exaustivo indicá-las.

    Mas também sabemos que, apesar de todas as considerações feitas em favor do naturismo, existem legítimas dúvidas de como se desenrola a vida num ambiente naturista que importa desmistificar e, desde logo, muitos mantêm que a nudez terá sempre um carácter vincadamente exibicionista e com enorme carga sexual.

    De forma nenhuma. A maior parte das pessoas não naturistas que ocasionalmente visitam uma praia ou outro qualquer lugar naturista, ficam surpreendidas pela ausência de sexualidade expressa.

    No naturismo, o nosso corpo é assumido por cada um e olhado por todos com total naturalidade e respeito. Os naturistas não serão, certamente, assexuados. Mas a sexualidade, qualquer que ela seja, não está presente na vivência naturista coletiva. Ela fará, naturalmente, parte da vida íntima de cada um, como em geral em toda a sociedade.

    Note-se, por exemplo, que os nossos lábios sempre foram associados ao “sex-appeal”, e contudo, não andamos com eles tapados, como acontece com os genitais. E no entanto, num contexto próprio, os lábios não deixarão de ter a sua função.

    Por outro lado, os exibicionistas despem-se ou expõem-se sobretudo para “chocar” os outros. Para verem e serem vistos, salientando em particular os órgãos genitais. Os naturistas apenas gostam de viver nus e não pretendem provocar ninguém. Pelo contrário, procuram ser discretos e respeitadores, evitando todas as posturas que possam ser confundidas com as dos exibicionistas e voyeuristas. Não existe nenhum “mal” em olhar os outros de forma integral, partindo da curiosidade inicial inata, que naturalmente se dilui progressivamente, acabando por se fixar no rosto e nos olhos dos seus interlocutores, enquanto com eles convive.

    Seremos então obrigados a permanecer sempre nus num espaço naturista?

    Não, certamente. Mas é natural que os naturistas usem os seus espaços próprios para viverem e conviverem nus. Contudo, sempre que as condições de ordem climática ou higiénica o aconselhem, o uso do vestuário é usual e bem aceite. Os naturistas não renegam a roupa, mas não a usam para “mascarar” ou “esconder” o seu corpo. Usam-na para o seu bem-estar físico, quando ela se torna confortável ou inevitável.

    É por isso que a nudez é praticada na generalidade de todos os locais e equipamentos e expressamente nas piscinas, saunas, etc. de uso comunitário.

    Outra dúvida diz respeito às crianças. Será o naturismo adequado às crianças? E como lhes explicar a nudez social num espaço público?

    Sem sombra de dúvidas que o naturismo é uma prática adequada e até aconselhada para as crianças. Nada melhor que crescerem libertas de preconceitos ligados à forma do seu corpo. O meio naturista é marcado por uma vivência familiar e respeitadora, onde as crianças encontrarão uma liberdade que lhes é inata. Livres na sua “inocência” mental e corporal, podemos ver-lhes a alegria e o à vontade estampado nos olhos e nas atitudes. Só a verdade corporal lhes proporcionará um crescimento mentalmente sadio.

    O diálogo contínuo sobre a nudez, sobre a sociedade e os seus conceitos, num quadro de respeito mútuo, será suficiente para fazê-las compreender o porquê do quando e onde podemos estar nus. O hábito salutar de usar a nudez, em casa e no dia-a-dia, facilitará o seu à vontade. Em caso algum, poderemos transmitir que a nudez pode ser qualquer coisa de negativo, mas antes explicar que outras pessoas pensam diferente de nós e que, por isso, devemos respeitar a sua sensibilidade, praticando a nudez nos locais socialmente indicados.

    É por isso que uma criança educada num meio naturista tem maiores probabilidades de não vir a sofrer dos complexos e obsessões comuns aos jovens, nomeadamente entre a puberdade e a idade adulta.

    Entre nós, compreendemos em plenitude a nossa natureza e sabemos partilhar a nudez com à vontade e respeito. A dignidade integral do ser humano traduz-se na unidade do corpo, naturalmente nu e de uma mente naturalmente livre. Esse é o grande pilar da nossa filosofia.

    Com a liberdade psíquica e física que alcançamos, sentimos promovidos a nossa autoestima e o respeito pelos outros, pelas diferenças físicas que não se resumem ao género e garantida uma melhor aceitação e compreensão da evolução que o nosso corpo sofre ao longo da vida, já que entre nós se espelha toda a diversidade que compõe a nossa realidade humana, sem qualquer máscara.

    A naturalidade da nudez e a sua partilha com os outros e o meio ambiente, sobretudo o natural, leva-nos a disfrutar das melhores sensações no contacto integral com a água, o ar, o Sol, etc., permitindo ao corpo respirar integralmente e sem espartilhos e corporiza ainda, psicologicamente, uma espécie de reencontro connosco próprios.

    Albert Einstein dizia que era mais fácil desintegrar um átomo que um preconceito. Será verdade para muitos mas, para mim, posso testemunhar-vos, não sei como desintegrar um átomo, mas soube felizmente, cedo na minha vida, implodir um preconceito.

    Experimentem fazê-lo também e verão que as barreiras psicológicas ligadas à nudez darão lugar a uma prática saudável e digna, disfrutando de sensações novas e únicas, capazes de nos tornarem livres, integralmente dignos e mais felizes.

    Muito obrigado a todos.

    *palestra realizada pelas 12:30h do dia 16 de setembro de 2012 no auditório do Estádio 1.º de Maio em Lisboa, no decorrer da Feira Alternativa.

    sábado, 15 de setembro de 2012

    Porto: Meditação Naturista

    Fonte: Tantra Lounge
    Meditação Naturista
    Todos os Domingos a partir das 18H


    Meditação Activa do Osho Naturista - 18 H
    Se não te identificas com as técnicas de meditação mais comuns, experimenta aquelas criadas por Osho. Nelas o corpo mexe-se e a meditação ocorre naturalmente sem esforço, sem concentração, sem que te preocupes que estás a conseguir ou não. Deixa-te levar pelos estágios acompanhados de música e deixa-te fluir.
    São meditações para quem os métodos tradicionais não servem. São meditações para quem tem o coração intoxicado pelo cérebro. São meditações para libertar tensões. São meditações para nos expressarmos conscientemente. São meditações para expressar sentimentos reprimidos, emoções bloqueadas, caminhos obstruídos.

    Meditação Zazen Naturista 19H

    Seguindo a filosofia Zen, nesta meditação observamos a prática naturista como método de conectar com o mais puro do nosso ser. Ao abandonar as roupas libertamos o corpo e as barreiras de julgamento que possam ser criadas pelo processo de socialização. Aqui sentimos o desapego completo onde todos os corpos são a face visível do Buda em nós.

    Inscrição Obrigatória para o mail tantraporto@gmai.com

    A meditação começa à hora certa. Quem vier pela primeira vez e necessitar de instruções deverá chegar 15 minutos antes.

    Horários
    __________________________________________________________

    sexta-feira, 14 de setembro de 2012

    Agenda: fim de semana naturista

    Norte

    Domingo de tarde no Porto: Yoga naturista - informa-te aqui.


    Centro

    Domingo 12H30 em Lisboa: Palestra sobre o naturismo - informa-te aqui.



    Sul

    Sábado e Domingo no Algarve: Churrascada - informa-te aqui.
    ________________________________________________